segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Tequila Baby



Duda Calvin
É, foi com Sexo, algemas e cinta-liga, como foi com muita gente que conheceu o Punk Rock da Tequila Baby no final dos anos 90’s. Só não lembro bem o dia, a ocasião. Mas foi em algum CD do meu primo Julio. É foi isso. E, um dia, quando em um churrasco ele levou seus CD’s lá para casa, meu primo Léo me ajudou a gravar um K7 contendo também as pedras Tira o sutiã, tira a calcinha e Quando eu entrar na sua vida. As outras pedras vieram quando a Rê comprou o primeiro CD. A minha menina, 2x2, Balada Sangrenta...

Tocava nas festinhas do colégio, quando a gente trovava o DJ entre um axé e outro. Meia dúzia de colegas conheciam. E eu sonhava em um dia saber tocar aquela porrada de som no violão ou na guitarra que sonhava em ter. O segundo CD veio melhor ainda. Velhas fotos foi a faixa escolhida para o carro de som que veio me visitar no 13 de outubro - meu aniver rockapunk. 14 anos e Duda Calvin fazendo barulho lá na frente de casa.


Tequila Baby - 1° Álbum
Sangue, ouro e pólvora - 2° Álbum

Sangue, ouro e pólvora, Sexo H.C., Naturalmente artificial, Chovendo corações pela cidade... E consegui um CD ao vivo, com as faixas do primeiro e do segundo CD, que cometi o erro de emprestar. Quando ficava sozinha em casa, jorrava tequila pelas janelas. Uma vez, na igreja do bairro, a banda do irmão de uma colega estava tocando Tequila (é, o padre não devia prestar atenção na letra). Fiquei lá assistindo.

Os outros trabalhos do quarteto, depois de mudanças na formação, não me chamaram muita atenção. A coisa foi ficando meio moda, as FM’s gostaram... Aquela coisa, neguinho que nem sabia de onde vinha o punk rock fazendo cara de mau e roda punk. Ou eu que já tinha crescido. Não sei. Mas Ontem ou agora e Seja com o sol, seja com a lua eram massa. Até hoje, Sexo, algemas e cinta-liga é mortal no meu violão. Foi assim que a Tequila Baby entrou lá em casa, fez um furacão na minha sala e sumiu como o Cd ao vivo que emprestei. One, two, three, four...


"...Já sei até o que eu vou dizer
Quando eu entrar no seu quarto
Quando eu entrar no seu quarto
Tira a roupa e feche a porta, meu amor
Tira a roupa e feche a porta, meu amor
E deixe o sol entrar no seu quarto
E deixe o sol entrar no seu quarto
E deixe o sol entrar no seu quarto
E deixe o sol entrar no seu quarto..."
[Quando eu entrar na sua vida - Tequila Baby]


Vórtex - Lembra a história daquele K7, com rocks gaúchos que o Gui me emprestou? Lá tinha outra pedra do punk rock: Chá de cogu, do Vórtex. Não sou exatamente fanática pelo punk, mas há nele alguma coisa que me chama muita atenção, em músicas específicas. Não gosto de tudo dos Ramones, mas gosto dos Ramones, entende? E assim é com o punk: não gosto de tudo que é punk rock, mas gosto de punk rock. Chá de cogu, além de baita som, tem uma letra engraçada. Nada correta, óbvio, mas por isso mesmo é punk, né? E foi assim.


Nenhum comentário: