segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Cazuza


É o meu preferido. Fica no mesmo degrauzinho de Raul Seixas, no topo da montanha. Não era só a jaqueta jeans e a faixa na cabeça. Não era apenas o signo do fogo e a defesa de “toda forma de amor”. Acontece que era rock and roll mesmo quando fazia bossa nova.

Conheci Cazuza através da minha mãe, que ouvia Continental e lá tocava Codinome Beija-flor. Exagerado foi a segunda pedra. Mas fui passar a amar o homem depois, aos 14 anos. Meu Deus! Como eu gostava doCazuza.

"Te pego na escola e encho a tua bola
Com todo o meu amor
Te levo pra festa e testo teu sexo
Com ar de professor
Faço promessas malucas
Tão curtas quanto um sonho bom
Se eu te escondo a verdade, baby,
É pra te proteger da solidão..."
[Faz parte do meu show - Cazuza]

Foi uma descoberta e tanto. Cazuza me fez entender que a vida podia ser linda, mesmo quando a gente nasce “do avesso”. Ele me ensinou a me aceitar como sou e também a cuidar de mim. Justamente por ele ser porra louca, me ensinou que todo excesso tem suas consequências, que a gente pode sofrer por amor e amar quem a gente quiser. Cazuza me ensinou que o amor é lindo. Cara, como eu gosto do Cazuza. E ele ainda fez parte do Barão Vermelho! Cazuza gostava de Lupicínio Rodrigues, de Cartola e de Rolling Stones.

Com a estréia do filme Cazuza – O tempo não para, o amor pelo exagerado aumentou mais ainda. Descobri toda aquelas músicas como Ponto Fraco, Down em mim... Ideologia, Só as mães são felizes, Mal nenhum, O nosso amor a gente inventa, Faz parte do meu show, Eu queria ter uma bomba... Tudo isso fazia muito sentido. Cazuza era meu parceiro de dor-de-cotovelo, mesmo que nunca tenhamos estado juntos. Eu e ele viajamos na nave espacial Colúmbia. Mas eu devia estar sóbria.

"...Da privada, eu vou dar com a minha cara
De panaca pintada no espelho
E me lembrar sorrindo que o banheiro
É a igreja de todos os bêbados..."
[Down em mim - Cazuza]

- Você lembra a primeira vez em que ouviu Cazuza?

Um comentário:

...(D) disse...

Outro over-rated do Br-rock? bem, eu não consigo ouvir muito Barão Vermelho muito menos Cazuza, nunca consegui. há algo nele que é muito oposto a mim, por esse jeito 'expansivo' dele. Eu acabei me identificando mais com o Renato Russo. Vou ficar parecendo um bajulador se ficar falando do cara nos comentarios de outras matérias, mas pelo que já li até hoje o filme do Cazuza falha bastante em retratar à época, o Lobão nem aparece. Eu não faço apologia às drogas mas o Lobão e o Cazuza cheirando cocaina sobre o caixão do Júlio Barroso é deveras rock and roll. Gosto de "Mal Nenhum" e "Ideologia" embora tenha todos os discos também, nunca tive esse 'click'com ele.